Seguidores

17/04/2009

Curiosidades literárias




O soneto "De volta à Casa Paterna" suscitou paródias, como a do
pseudônimo abaixo (duvidosamente de Bilac ou Alberto de Oliveira), a
propósito dum pedante governante carioca da época:


VISITA AO TESOURO

[Acácio de Xexas]

Como um' ave que volta ao ninho antigo,
Depois de fazer muito desaforo,
Eu quis também rever este Tesouro,
O meu primeiro e virginal abrigo.

Entrei. Um gênio pérfido e inimigo
(Era o espectro do Déficit!), num choro,
Por entre ratos e gambás em coro,
Tomou-me as mãos, e caminhou comigo.

Aqui, outrora... (Oh! se me lembro e quanto!)
Houve muito dinheiro acumulado!
E hoje, Papai, nem um vintém... O pranto

Jorrou-me em ondas... Meu tesouro amado!
Um "compadre" comia em cada canto,
Comia em cada canto um "emboscado".


Mais bem-humorada e inteligível é a paródia abaixo:

VISITA À CASA DA SOGRA [Itamar Siqueira]

Como urubu que regressasse ao ninho,
A ver se ainda um bom caminho logra,
Eu quis também rever a minha sogra,
O meu primeiro e virginal carinho.

Entrei. Pé ante pé, devagarzinho,
O fantasma, talvez, daquela cobra...
Tomou-me as mãos, olhou-me bem, de sobra...
E levou-me para dentro, de mansinho.

Era este quarto, oh! se me lembro, e quanto...
Em que, à luz da lua que brilhava,
O pau roncava forte, tanto e tanto,

No costado da gente, sem piedade,
Um cacete bem grosso lá no canto...
Minhas costas choraram de saudade...

Fonte: Site Sonetário Brasileiro

2 comentários:

  1. Lindo lindo, lindo demais!
    É tudo que posso dizer desse maravilhoso blog!
    Passando para desejar um ótimo final de semana, muita saúde!
    Beijosssssss

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar este blog. Volte sempre.